domingo, 19 de abril de 2015

Fotografia? Não...Pintura Hiper-realista

Fotografia? Não.
hiper-realismo é derivado do fotorrealismo, e teve sua origem na segunda metade do século XX. Como o próprio nome indica, o realismo é levado ao extremo, ou seja, acrescentam-se  muitos detalhes às obras de pintura, desenho ou escultura, para que esse se aproxime o máximo possível da realidade.
Os hiper-realistas utilizam-se das cargas sociais ou emocionais de suas obras, contextualizando-as de modo a criar narrativas singular e cheias de poesia.
É importante notar o componente paradoxal do hiper-realismo: apesar das obras aproximarem-se da realidade a ponto de serem quase idênticos, não são a realidade. Esse simulação de realidade cria a ilusão de uma nova realidade, mais complexa e, principalmente, mais subjetiva.
O pintor fotorrealista escolhido é Roberto Bernardi nasceu em Todi, Perugia – Itália em 1974. Seu primeiro trabalho data da década de 80 quando se dedicou ao estudo de pintura e técnica Renascentista. Em 1993 Roberto mudou-se para Roma onde teve a oportunidade de trabalhar com restauração na Igreja Sâo Francisco de . Depois destas experiências, o artista dedicou seu tempo integral às suas vontades de fazer pinturas fotorealistas.
Para dar início ao seus trabalhos, Roberto pega os elementos realistas da composição, que são filtrados através de uma imagem fotográfica, e resultam em uma reprodução altamente tecnológica. Esta imagem é, então, traduzida utilizando as técnicas tradicionais de pintura a óleo influenciada por sua herança italiana. A arte final conta com um técnica chamada  Giclée – impressão em altíssima qualidade, que garante vida longa graças à qualidade das tintas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário